André Baleiro

barítono

Ao vencer o 1.o prémio no 17.o Concurso Internacional Robert Schumann em Zwickau, em 2016, André Baleiro tornou-se o primeiro cantor português a obter um reconhecimento internacional ao mais alto nível enquanto intérprete de Lied. No ano seguinte, foi distinguido com o “Prémio Talento Mais Promissor” no concurso Das Lied, em Heidelberg, e com o Prémio Cultura Theodor Heuss, em Schwetzigen. O barítono apresenta-se regularmente em recital na Alemanha e em Portugal, nomeadamente com o maestro João Paulo Santos e o pianista David Santos, destacando-se ainda as suas colaborações com Eric Schneider e Axel Bauni.

Os seus papéis operáticos incluem TARQUINIUS em The Rape of Lucretia (Britten) no Teatro Nacional São Carlos (TNSC), FIGARO em Il Barbiere di Siviglia (Rossini) e KASPAR HAUSER em Kasper Hauser (Schubert/Wilgenbus) com a Kammeroper München, DON PARMENIONE em L’occasionne fa il ladro (Rossini) no Teatro Pérez Galdós, PANTALONE em Turandot (Busoni) e CAPORALE em Il cappello di paglia di Firenze (Nino Rota) no TNSC.

Em concerto apresentou-se com as Paixões, Cantatas e o Magnificat de J.S. Bach, o Requiem de Fauré, o Requiem Alemão de Brahms, as Vésperas de Monteverdi, Dixit Dominus de Händel, Peer Gynt de Grieg, a Cantata Dona nobis pacem de Vaughan Williams, Don Quichotte à Dulcinée de Ravel e os Gurrelieder de Schönberg em salas como o Grande Auditório da Fundação Calouste Gulbenkian, o CCB e a Casa da Música, bem como
em França, Espanha, Alemanha, Suíça e Japão. Dos agrupamentos com quem tem colaborado destacam-se a Orquestra Gulbenkian, Orquestra Sinfónica Portuguesa, Orquestra Metropolitana de Lisboa, Divino Sospiro, Les Cornets Noirs, Sinfonia Varsovia, Landesjugendorchester NRW e Kammerphilharmonie Graubünden.

André Baleiro iniciou a sua formação musical no Instituto Gregoriano de Lisboa onde começou formalmente a
sua educação vocal com Elsa Cortez. Lincenciou-se em Direção Coral e Formação Musical na Escola Superior de Música de Lisboa, e em Canto na Universidade das Artes em Berlim na classe de Siegfried Lorenz. Venceu em 2016 o Primeiro Prémio bem como o Prémio do Público e o Prémio de Canção Portuguesa no 9.o Concurso de Canto Lírico da Fundação Rotária Portuguesa. Foi bolseiro da Fundação Walter & Charlotte Hamel em Hannover e da Fundação Calouste Gulbenkian, com que tem uma relação artística de longa data e onde é convidado regular.

André Baleiro